Você está aqui: Página Inicial > central de conteúdos > Notícias > MDH participa da 5ª Reunião de Altas Autoridades sobre os Direitos dos Afrodescendentes, no Paraguai

Notícias

MDH participa da 5ª Reunião de Altas Autoridades sobre os Direitos dos Afrodescendentes, no Paraguai

por publicado: 09/05/2018 18h48 última modificação: 09/05/2018 18h48

A Secretaria Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) está representando o Ministério dos Direitos Humanos na Reunião de Altas Autoridades sobre os Direitos dos Afrodescendentes (RAFRO), e trata da importância da temática racial para os países do Mercosul. O evento começou nesta quarta-feira (9) e segue até amanhã, em Assunção, Paraguai.

O objetivo do encontro é fomentar o diálogo entre representantes de governos dos países do Mercosul, sociedade civil e organizações internacionais com relação à definição de políticas públicas aos direitos dos afrodescendentes.

O ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, acolheu a pauta da igualdade racial como uma de suas prioridades. “A RAFRO é uma oportunidade de discutir nossas políticas públicas a nível internacional. Isso nos permitirá expandir o panorama atual e, consequentemente, levar conhecimento da nossa experiência para o bloco dos países membros e associados ao Mercosul”, ressalta o ministro.

Durante o evento, o secretário Nacional de Promoção da Igualdade Racial, Juvenal Araújo, convida os países membros a participarem da IV Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Conapir), que ocorre entre os dias 27 e 30 de maio. A delegação do Uruguai já confirmou presença.

“É com orgulho que trabalhamos para a construção da Década Internacional dos Afrodescendentes. Reafirmo a importância desse espaço para pensarmos na garantia de direitos de negros e negras como uma plataforma capaz de consolidar nossas políticas de promoção da igualdade racial no âmbito do Mercosul”, pontua o secretário.

Histórico da RAFRO - Criada em 2015, a iniciativa tem como função coordenar discussões políticas e iniciativas que beneficiem populações afrodescendentes, bem como promover sua inclusão nos processos de transformação econômica, política, social e cultural como atores fundamentais para o desenvolvimento da região.

A criação da RAFRO era uma demanda da Comissão Permanente sobre Discriminação, Racismo e Xenofobia da Reunião de Altas Autoridades em Direitos Humanos (RAADH).